Como ferrar com o feriado do seu amigo

19 julho, 2009

Eu juro que sou santo, que não faço as coisas por maldade. Sou considerado o bom garoto, que toda mãe sonha em ter como genro, hahahaha. Essa eu inventei pra me autopromover.

Pois bem… certo feriado, viajamos de galera para a praia, na casa de um amigo. E sempre quando rola alguma viagem de galera, por mais que a pessoa já tenha passado dos seus 20 e poucos anos, ainda teima em passar pasta de dente na sua cara enquanto você dorme, acabar com seu desodorante despejando tudo por baixo da porta ou pela fechadura pra te acordar, jogar suas coisas na piscina… pois é, amigos sem noção ainda fazem esses tipos de coisa. E esse amigo tem nome, que será preservado para eu não sofrer retaliações futuras.

No primeiro dia do feriado, saímos à noite para ir tomar um açaí. Tudo muito bom, tudo muito bem, até que uma hora esse amigo, que a partir de agora chamarei de Pedro, encontrou um grande amigo de infância na mesa ao lado. Saiu de nossa mesa e, como estávamos putos com suas encheções, decidimos bolar um plano maligno para zoá-lo.

– E aí, que que a gente vai fazer?, perguntou Norberto (nome fictício… e bem fictício MESMO. Por um acaso alguém tem algum amigo com esse nome? hahahaha não, né).

– Que tal se a gente tirar o shampoo dele e colocar BLONDOR (usado para clarear o cabelo)?, respondeu Malaquias (vai vendo os nomes fictícios, vai vendo hahaha)

– Mas aí precisaria de Sol para secar e talvez não desse muito certo. Por que a gente não coloca laxante na bebida dele?, perguntei.

Os olhos de todos sentados à mesa brilharam. Puta merda, laxante era uma ideia fenomenal. Como ninguém tinha pensado nisso há 15 anos quando nos tornamos amigo do figuraça na primeira série do ensino fundamental? hahahaha.

– Tá. Então a gente precisa passar na farmácia, disse Joana (chega, não vou mais falar que todos os nomes serão fictícios, ok? hehehe).

– Ok, finja que você está com cólica que aí a gente fala que vai ter que parar, respondi.

Ótimo, que plano perfeito. Que audácia. Nunca nos sentimos tão maldosos assim, hehehe.

Quando ele voltou pra mesa, umas 2 horas depois, já tava na hora de ir embora. Pagamos a conta e, como combinado, paramos na farmácia. Óbvio que o Pedro (o que será zoado) reclamou disso.

Desceram Malaquias e Joana e foram comprar o laxante para a brincadeirinha inocente que faríamos com o Pedro no dia seguinte. Quando eles chegaram à farmácia, havia dois tipos de laxante: o óleo para os rins e o laxante tradicional. Optamos pelo laxante, claro. O óleo para rins era muito mais caro.

Ah, e claro que fizemos tudo de um modo seguro. Obviamente que perguntamos ao farmacêutico quantos comprimidos deveriam ser comprados para fazer cagar sem problemas. Ele respondeu que 1 era meio fraco, mas que 2 daria um resultado excelente. Compramos 5.

De posse dos comprimidos e com risadinhas toda vez que nos entreolhávamos, fomos pra casa dormir. No dia seguinte, acordamos cedo, fomos pra praia e voltamos para fazer um churrasquinho. Com o Pedro, nosso churrasqueiro oficial, ocupado, poderíamos moer os comprimidos e despejar na bebida dele. E foi isso que, de fato, aconteceu. Enquanto ele fazia o churrasco, pegamos a cerveja, sem que ele notasse, e colocamos os comprimidos. Entre uma carne e outra que ele virava na churrasqueira, um passava e dava uma mexidinha na cerveja, hehehe. Só pra não correr o perigo de não fazer efeito. Ele é grande, vai que não dá certo, né. Só pra garantir, hahaha.

Bom, o farmacêutico disse que em até 8 horas o remédio faz efeito. Nossa, nem precisou disso. Saímos para jogar um futebolzinho de tarde na praia e, quando estávamos chegando, ele parou no meio da rua e gritou: PUUUUUUUUTZZZ, preciso cagar.

Rindo que nem uns féladaputas pelo acontecido, falamos: ah, pára com isso, cagão, vamos jogar bola logo. E fomos… há mais de 1km de distância, só pra sacanear, hahaha.

Começamos a jogar e num deu nem um minuto pra ele parar. Ele foi em uma dividida e fez uma abertura nas pernas em que você sente que o cara se cagou todo, hahaha. Foi instantâneo: “Ô, entra aí no meu lugar… não tá dando mais pra jogar”. Óbvio que ríamos muito sem que ele desconfiasse de nada, pois, dar caganeira, às vezes, é normal pra qualquer um.

Ele não aguentou nem 1 minuto sentado e foi embora, com nossos gritos de CAGÃO, TANGA FROUXA, BORRADO, etc. Jogamos mais um pouco e voltamos para o apartamento para ver se ele ainda estava por lá entalado. Mas nem tava.

Anoiteceu e saímos para uma pizzaria. Ah, esqueci de mencionar que todos nós estávamos em casal, exceto ele. Lá na pizzaria ele ia encontrar a menina que ele tava dando uns beijos há umas semanas e não poderia fazer feio. E, caras, a menina era realmente bonita. Talvez uma das melhores que ele já pegou na carreira dele. Coitado… hahahahaha!

Enquanto comíamos, ele apenas juntava as mãos na cabeça, como que rezando e suando frio. Sério, dava pra ver as gotas na cabeça dele se formando. Novamente: coitado… hahahaha. Ele não aguentou e foi ao banheiro, mas voltou rapidinho.

– E aí, que que aconteceu?, perguntou Malaquias (tô arrependido de ter criado um nome fictício tão bizarro hahaha)

– Cara, não tem como cagar nesse banheiro. A privada NÃO TEM PORTA. Quem tá mijando consegue ver quem tá cagando.

Quando ele falou isso, minhas bochechas já doíam de tanto que eu estava rindo. E quem chegou nesse momento? Sua peguete de 1 semana, o encontrando suado e em situação crítica. Pô, ele estragou nossa pizzada e não estava aguentando mais e até falou pra peguete: “Vamos pra um barzinho, a gente já tava indo embora mesmo”. Nem estávamos. FDP.

Pagamos a conta e entramos no carro. Ele implorava: PELAMORDEDEUS, a gente precisa passar em casa. Obviamente que fazíamos um joguinho de NÃO, NÃO VAMOS PASSAR, PARA DE CHORAR. Ele suplicou. Coitado, hahahaha. Voltamos pro apartamento. Ele pegou a chave e subiu correndo, desesperado. Subimos atrás e colamos o ouvido na porta para escutar. CAAAAAARA, ele abortou alguém ali na privada, não era possível. O barulho era sem parar… MESMO.

Ele falou que estava aliviado e fomos para o barzinho. Chegamos lá e já voltamos, porque era tarde e estava cheio. Ninguém queria realmente sair. Queríamos era ter comido mais pizza, mas o puto do cagão tinha que ir embora. Ferrou com nosso rolê e acabou nem encontrando com sua peguete, hehehe.

Quando chegamos em casa, ficamos lá jogando Poker durante à noite e ele foi sozinho pro apartamento da vizinha, porque tava tendo uma festinha por lá. Jogamos, jogamos, jogamos e, quase duas da manhã, todos foram dormir. Só eu e o Norberto ficamos acordados jogando Winning Eleven. Lá pelas 4 da manhã, Pedro abriu a porta do apartamento e foi procurar por alguém acordado.Vi ele e falei:

– E aí, Pedrão, acabou a festa lá?

– Não, não… só vim dar uma cagadinha.

Não sabemos o que se passou nos outros dias, porque voltamos pra São Paulo. O mais engraçado de tudo isso é que até hoje não contamos nada pra ele. E essa história já tem 2 anos, hahaha. Hoje, toda vez que falamos de problemas intestinais nos nossos jantares, lembramos disso e rimos pra cacete. Sem que ele saiba, claro. Aliás, será que ele vai ler isso? Ele nunca lê meu blog… acho. Merda, como faz pra apagar?

apagar

—–x—–

Continuem lendo o Isso só acontece comigo. Sei lá, assinem o feed (que porra é essa?) ou deixem aí nos favoritos, porque tenho postado os textos antes lá. Tenho twitter.


%d blogueiros gostam disto: